ECONOMIA DE CORRIDA E VELOCIDADE

Actualmente a RUNTREINO procura conjugar todos amplos conhecimentos e fornecer respostas integradas de Treino e Adaptação à corrida. Não basta termos metas, temos de trabalhar com base em conhecimento prático e especifico de cada um de nós, para que possamos evoluir…

A economia de corrida, que tem sido tradicionalmente medida como o custo de oxigénio da corrida a uma determinada velocidade, foi aceite como o critério fisiológico para o desempenho “eficiente” e foi identificada como um elemento crítico do desempenho geral da corrida de longa distância. Existe uma ligação intuitiva entre a mecânica de corrida e o custo de energia da corrida. O trabalho continuo bem estruturado de treino e as informações de fatores biomecânicos contribuem para uma melhor economia em qualquer corredor.

Uma variedade de dimensões antropométricas poderia influenciar a eficácia biomecânica. A altura média; alto índice ponderal e físico ectomórfico ou ectomesomórfico; baixa porcentagem de gordura corporal; morfologia da perna que distribui a massa mais próxima da articulação do quadril; pélvis estreita e pés menores que a média. Padrões de marcha, cinemática e cinética de corrida também podem estar relacionados à economia de corrida. Esses fatores incluem: comprimento da passada que é escolhido livremente durante um tempo considerável de execução; baixa oscilação vertical do centro de massa corporal; ângulo do joelho mais agudo; menor amplitude de movimento, mas maior velocidade angular de flexão plantar durante o deslocamento dos dedos; movimento do braço de menor amplitude; forças de reação do solo de baixo pico; rotação mais rápida dos ombros no plano transversal; maior excursão angular dos quadris e ombros em torno do eixo polar no plano transverso; e exploração efetiva da energia elástica armazenada. Outros factores que podem melhorar a economia de corrida: amortecimento das sapatilhas e o drop; história de treino mais abrangente.

O consumo máximo de oxigênio (VO2max), limiar anaeróbico e economia de corrida são variáveis fisiológicas que determinam a performance. Por exemplo, McLaughlin et al. (2010) descobriram que as variáveis fisiológicas clássicas explicam 95% da variação em performances de corrida. Sabe-se que o VO 2max e a economia de corrida são limitados por fatores diferenciais. VO2max é amplamente determinada pelo débito cardíaco máximo, como a composição muscular e o metabolismo da gordura. A economia de corrida é uma variável multifatorial, que reflete metabólica, cardiorrespiratória, biomecânica e características neuromusculares.

O conhecimento destas variáveis fisiológicas clássicas é valioso para os corredores entenderem os pontos fortes e fracos fisiológicos (isto é,treinabilidade).

Tu tens ambição?

Partilhe este artigo nas redes sociais:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on whatsapp

outros Artigos de interesse

Eventos

CALENDÁRIO 2018 DA ATRP

Quais são os teus objectivos para 2018? Estás preparado? Vem connosco… nós vamos contigo até à meta! A Associação de Trail Running de Portugal já

Ler mais >
Eventos

ESTER ALVES, CONTIGO NA META…

Ester Alves é a nova treinadora RunTreino. Onde estás? Onde queres chegar? Qual o teu objetivo? Nós acompanhamos-te na preparação… Nós vamos contigo até à

Ler mais >
Desporto

ECONOMIA DE CORRIDA E VELOCIDADE

Actualmente a RUNTREINO procura conjugar todos amplos conhecimentos e fornecer respostas integradas de Treino e Adaptação à corrida. Não basta termos metas, temos de trabalhar

Ler mais >
+ Saúde

Melhorar o Rendimento

A organização do Campeonato do Mundo de 2018 Penyagolosa Trails HG e a Universitat Jaume sublinham a importância de realizar a espirometria e determinar parâmetros

Ler mais >